Perguntas Frequentes

No projeto, estão previstos, além da construção da ponte Salvador-Itaparica, uma requalificação nos sistemas viários da capital baiana e Ilha de Itaparica. No caso de Salvador, a requalificação do sistema viário está prevista entre os bairros da Calçada e Água de Meninos. Já na Ilha de Itaparica, serão criados cerca de 30 km de acessos viários, facilitando o acesso e transporte até outras regiões da Bahia e do país. Já a ponte Salvador – Ilha de Itaparica, terá 12,4 km de extensão e será a maior ponte sobre lâmina d’água da América Latina.

São dois grandes grupos chineses que estão entre os maiores do mundo no segmento de construção e infraestrutura. São eles: China Railway 20th Bureau Group Corporation (CRCC20) e China Communications Construction Company (CCCC).

A obra terá investimento de R$ 5,4 bilhões do consórcio chinês e R$ 1,5 bilhão do Governo do Estado, conforme estabelecido no Plano de Negócios em 2019. Está prevista para começar no segundo semestre 2022, com duração de quatro anos.

Serão geradas, diretamente, mais de cinco mil vagas de emprego.

Não. Serão beneficiados diretamente pela obra 44 municípios do Recôncavo Sul, Baixo Sul e Região Metropolitana de Salvador. Além disso, com a construção da ponte e acessos envolvendo Salvador e Ilha de Itaparica, será possível criar uma ligação mais curta e rápida entre a capital e as rodovias BR-101, BR-116 e BR-242, facilitando o deslocamento para outras regiões da Bahia e outros estados. Também, com o projeto, cerca de 100 quilômetros de estrada serão economizados e mais de 40% do tempo de viagem será reduzido por não ser mais necessário realizar o contorno de 100 km pela BR-101.

São cinco anos para projeto, licenciamento e construção e 30 anos de concessão após a implantação do empreendimento, por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP) com o Governo do Estado.

A construção foi dividida em três etapas: trecho de aproximação na Ilha de Itaparica, com 4.6 km, trecho de aproximação em Salvador, com 6.9 km de extensão, e trecho estaiado, com 0.9 km de comprimento e 85 m acima do nível do mar. Vai permitir a navegabilidade de navios transatlânticos, petroleiros, ferry-boat e plataformas. O empreendimento contará com pistas em ambos os sentidos, cada uma delas com duas faixas, e uma terceira faixa que, inicialmente, funcionará como acostamento.